O Instituto Malleus Dei está firmado na Bíblia, a Escritura Sagrada, e busca revitalizar a herança da Reforma Protestante. O ideal pelo qual este luta foi estabelecido nos decretos eternos de Deus e manifesto à Igreja desde a aurora dos séculos. Ideal tal qual foi exercido e transmitido por todas as congregações fiéis e por todos os ajuntamentos de homens que, em espírito e em verdade, adoraram ao Senhor dos Senhores.

Por isso, este ideal é chamado herança. Ele pode ser encontrado em nossos dias, sem invenções ou tradições humanas, onde quer que o Evangelho seja pregado, por todo o mundo, segundo a Palavra de Cristo. E assim o será, até aquele dia estabelecido por Deus Pai, em que nosso Senhor e Salvador Cristo Jesus voltará dos céus para encerrar o Tempo.

Que ideal é este ao qual o Instituto Malleus Dei anseia?

Glorificar a Deus em tudo e levar ao mundo o Conhecimento de Deus. Este ideal é o fruto da vida e da ressurreição, que é Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, vida e ressurreição nEle prometidas e reveladas.

Cabe esclarecer o que entende-se por Conhecimento de Deus:

É aquela Verdade absoluta, revelada em Cristo Jesus, que dá origem à todas as coisas; Verdade que se manifesta na Natureza, na História e na consciência Humana e, de forma excepcional, proposicional, perspícua, perfeita e salvífica, somente na Bíblia Sagrada. Este Conhecimento é intelectual, porém, não somente. Conhecimento que é também emocional e volitivo.

Sobretudo, tal conhecimento não é estéril pois, se é conhecimento verdadeiro, frutificará no homem que crê, tornando-o, pouco a pouco, semelhante ao Senhor e Salvador Cristo Jesus.

O que o Instituto Malleus Dei faz?

Mantém, guarda, prolonga e imprime sobre o mundo a Fé Cristã Histórica. Fé que foi defendida e interpretada por homens como Martinho Lutero, Jonh Knox, João Calvino, Joseph Bullinger e John Owen (nos últimos séculos) e por Policarpo de Esmirna, Irineu de Lion, Agostinho de Hipona, João Crisóstomo, Anselmo de Cantuária e incontáveis outros (desde a aurora do Cristianismo), como também por grupos inteiros, de diversas nações, dos Valdenses do século IX aos Huguenotes do século XVI, dos Lolardos no século XIV aos Hussitas no século XV, da Igreja Galesa do século VIII à Igreja da Escócia do século XIX, ininterrupta e progressivamente; sim em todos os séculos, alcançando-nos no presente século XXI! Nossa Fé, contudo, não é uma teologia firmada na tradição, mas uma cosmovisão viva e cativa da Escritura – pela qual cada doutrina deve ser provada ou descartada, pouco importando tempos e costumes.

É a crença em todas as doutrinas Cristãs ortodoxas, que deve ainda ser defendida como fora nos primórdios do Cristianismo, se necessário, à custa de nosso próprio sangue: a Trindade; a plena divindade e plena humanidade de Jesus Cristo; a necessidade do sacrifício vicário de Jesus para nos remir de nossos pecados; a congregação dos santos como instituição divinamente estabelecida; a inspiração plena, na inerrância e na infalibilidade da Bíblia; a exigência de que os Cristãos tenham uma vida pura e santa; a ressurreição do corpo; o Juízo Final e a vida eterna. A crença salvífica e gloriosa: a justificação somente pela fé, (fundada na obra completa de Cristo Jesus, segundo a livre Vontade e soberana Graça divinas); a necessidade da regeneração pelo Espírito de Deus (para fazer do homem parte da nova criação e herdeiro do reino dos céus); o dever da Igreja, e a promessa Divina de que o Evangelho alcançará e triunfará sobre todos os povos, línguas e nações (Mateus 28:19-20; Marcos 16:15-16); o retorno pessoal, único e visível do Senhor Jesus Cristo para julgar o mundo.

E é na esperança comunicada por estas doutrinas Cristãs, que molda-se cada projeto do Instituto. Pois estas doutrinas transmitem a verdade do Evangelho, que é o poder de Deus para regenerar pecadores e para remir a Criação estabelecendo a Bandeira de Cristo sobre todas as nações. Por isso o Instituto: funda Academias de Teologia e Escolas Cristãs; promove, sob a luz Bíblica, as Artes Liberais e as Artes Mecânicas na Educação e Cultura; publica e distribui literatura cristã; provê alternativa, sob a diretriz da piedade cristã, para todas as partes da sociedade que estão hoje cativas pelas trevas do ateísmo. Com a finalidade de que, em todas estas coisas, os homens expressem a Glória de Deus: uma vez renascidos, recriados pela Palavra, segundo a ação do Espírito Santo, para tornarem-se a Imagem de Cristo.

Sabemos que Deus, fazendo-se conhecido pela religião bíblica firmada em Cristo Jesus, pode, pela Graça de Seu Espírito, trazer igualmente ao Brasil a mesma mudança que esta Fé realizou na Holanda e na Genebra do século XVI, no Brasil Holandês de Maurício de Nassau, na Nova Inglaterra do século XVIII e a tantos outros países e povos, que sujeitando-se à obediência plena e dedicada aos mandatos de Deus, produzirão estes bons frutos que certamente abençoam toda a humanidade. Por isso o Instituto Malleus Dei opera neste mundo, agindo para alertar e conscientizar os homens quanto ao engano religioso tão comum em nossos dias e, ao mesmo tempo incentivá-los ao estudo dedicado e temeroso da Escritura, de modo que dediquem-se ao serviço do Altíssimo na construção de um país e Igreja santos, e na erradicação de todo erro. Deste modo a Revelação de Deus na Bíblia Sagrada molda nossa compreensão da Natureza, do Ser Humano e da História, como um todo, conduzindo aqueles que se ajuntarem a nós para esta obra para, de todas formas, submeter a Criação e transformar, até mesmo transtornar, o mundo até que toda a Terra seja cheia do Conhecimento de Deus. Humildemente, amparados e confiados somente nas promessas da Escritura, para nutrir esta esperança.

A todos que compartilham estes mesmos objetivos, pede-se: orem por nós.

E que o Senhor nos abençoe porque a Ele pertencem todas as coisas, tanto o passado quanto o futuro, pois a Ele somente pertence toda a Glória para sempre.

Amém.

Tempo de Existência do Instituto Malleus Dei

O ideal Cristão do Instituto Malleus Dei está firmado na Sagrada Escritura e encontra sua origem histórica na Reforma Protestante do século XVI e nos escritos das igrejas fiéis em toda a história, desde alguns dos Pais da Igreja do século I até á Igreja da Boêmia e dos Valdenses que precederam a Reforma no limiar do século XV. Este ideal foi com maturidade registrado na Reforma Protestante e nos Sìmbolos de Fé das suas Igrejas como: As Três Formas de Unidade, e Os Padrões de Westminster. Assim este ideal foi exercido e transmitido pelas igrejas e comunidades Cristãs em todo mundo, desde o primeiro século até aos nossos dias. Como organização visível e local, no entanto, o Instituto Malleus Dei do Brasil se instaurou no Rio de Janeiro no término de 2008, para continuar e cumprir a obra e planos da Sociedade pela Reforma, organização ativa do final do século XIX até meados do século XX.